Como se explica isso?

O exercício físico faz trabalhar os músculos e solicita um esforço intenso. A fibra muscular gasta-se, através de um processo chamado metabolismo. Em seguida, reconstitui-se mais forte e resistente através de outro designado por anabolismo. Esta acção dupla permite que os músculos ganhem volume e readquiram consistência, flexibilidade e forma.
Colher este benefício requer energia e tempo. Quem pratica desporto de forma assídua e regular sabe que, depois de um esforço excepcional, os músculos ficam doridos. O corpo recupera lentamente e procura a energia necessária para sanar esse incómodo. A melhor prova deste trabalho interno é a subida de temperatura durante e após o esforço, sendo aumento proporcional ao desgaste físico.

 

Uma pessoa sedentária e friorenta perde a sensação de “ter sempre frio” a partir do momento em que começa a praticar desporto. Um corpo habituado ao esforço físico produz mais calor, de forma quase contínua, gasta muito mais energia das reservas adiposas. Quando o exercício se torna um hábito, o corpo utiliza estas reservas em permanência. O metabolismo basal de um individuo activo  aumenta substancialmente.