Dieta Scarsdale

A publicidade a esta dieta anuncia: “Perca 8 quilos em 14 dias, sem nunca os recuperar.” O leitor já sabe que isso é impossível, pois não se pode perder tanta gordura em tão pouco tempo. Aquilo que se destrói, na realidade, a água e músculo.

Esta dieta altera a repartição dos nutrientes que entram na alimentação. Recomenda mais proteínas, menos gorduras e hidratos de carbono. Os habituais 10 a 15 por cento de proteínas, 20 a 35 por cento de gorduras e 45 a 60 por cento de hidratos de carbono transformam-se em 43 por cento, 22,5 por cento e 34 por cento, respetivamente. Valores que a tornam em mais uma dieta hiperproteica moderada e, por conseguinte, muito menos perigosa do que a pura ou original, já que não exclui os hidratos de carbono.

A dieta Scarsdale apresenta-se de forma muito directiva, o que lhe dá uma imagem pseudocientífica, como se tudo tivesse sido cuidadosamente calculado. Daí, sem dúvida, o seu êxito. Ora, os nutricionistas salientam o excesso de proteínas, bem como inúmeros absurdos na organização das refeições.

É fácil de seguir, pois não impõe muitas restrições, mas provoca prisão de ventre, perdas de água (para evitar a desidratação, torna-se necessário beber muito durante a dieta) e de músculo. Além disso, o défice energético, devido a redução de hidratos de carbono, pode provocar um cansaço intenso.

Não espere os milagres prometidos na publicidade. A recuperação do peso, a partir do momento em que se retoma uma alimentação normal, é garantida.