Dieta semanal

Procura quebrar os hábitos alimentares, desarticular as funções digestivas e desencorajar o apetite. O princípio-base defende a ingestão de um alimento por dia, mas em várias refeições. Por exemplo, 250 gramas de arroz em quatro refeições, no primeiro dia; 500 gramas de carne grelhada ou assada em quatro refeições, no segundo dia. Nos seguintes, ovos, hortaliças, laticínios, fruta, entre outros. Neste tipo de dieta, a dissociação não é, por si própria, um fator de perda de peso. Esta deve-se à falta de apetite. Escusado será dizer que a dieta é pouco atrativa ao paladar e muito difícil de cumprir. Além disso, provoca um cansaço extremo e dificilmente pode ser seguida por pessoas que trabalham.

Esta dieta induz inúmeras carências de proteínas, vitaminas e minerais. Adapta-se mal ao organismo humano que, para se manter de boa saúde, tem de receber uma alimentação muito diversificada.

Por vezes, é aconselhada como transição após um período de jejum, sob vigilância médica. É perigosa a médio prazo. Além disso, o peso volta a subir logo que se para.