O final do percurso: atenção!

Chegado ao peso ideal, pode sentir-se tentado a afirmar: “Adeus dieta, olá açúcares e gorduras.” Ponha de lado esse pensamento. O objectivo deste guia é ensiná-lo a modificar definitivamente os seus hábitos, a comer de forma equilibrada, completa, saudável e a praticar exercício.

Agora exercita-se, gosta do sabor do pão integral e há já vários meses que o consome moderadamente sem ter sequer vontade de o barrar com manteiga. Isto não invalida que a dieta possa ser frustrante e que chegue uma em que,tendo atingindo o objectivo fixado, deseje voltar a como sabe, durante uma dieta, o organismo defende-se e tenta proteger as suas gorduras. Conseguiu vencê-lo graças a uma disciplina estrita, a uma vigilância alimentar constante e a exercícios físicos regulares e adequados. O seu organismo habituou-se a queimar quotidianamente menos calorias. Se, ao decidir pôr termo à sua dieta, sucumbir a todas as tentações e regressar a uma alimentação rica em gorduras e em hidratos de carbono, o seu organismo vai absorver avidamente tudo o que ingere e armazená-lo nas células adiposas. Portanto, é necessário um período de transição para regressar, sem perigo de recaída, a uma alimentação mais calórica.

Por outro lado, supomos que, durante o período em que emagreceu, o desporto ocupou um espaço importante no seu programa de vida. Naturalmente, está longe de ser um campeão ou um profissional, mas as articulações funcionam livremente, os músculos estão flexíveis e a respiração profunda. Descobriu novas sensações físicas e o seu corpo está desentorpecido. Este período transitório no final da dieta é a ocasião ideal para praticar mais desporto e com maior rendimento. Só assim o aumento do aporte calórico será utilizado sem riscos para a sua linha.

Como vencer o período transitório? Durante a estabilização da dieta, é absolutamente necessário evitar as imprudências e a precipitação que permitem às células adiposas, parcialmente esvaziadas, reconstituir as reservas. As regras dependem dos seus hábitos antes do início da dieta e daqueles que os vão substituir.

Existe uma norma para calcular o nível calórico do período transitório. consiste em subtrair ao nível calórico anterior à dieta  confirme no seu balanço alimentar a percentagem de peso perdido multiplicado por 1,5. Um exemplo facilita a compreensão. Por isso, vamos recorrer a um, e não tendo em conta o aumento da actividade física durante a dieta nem eventuais alterações do metabolismo basal Imagine uma mulher de 65 quilos que consome, em média, cerca de duas mil quilocalorias por dia e passa a seguir uma dieta de 1600 quilocalorias. Graças a ela, perde seis quilos em cinco meses. Portanto, cerca de 10 porcento do seu peso inicial. Multiplicado este valor por 1,5, obtemos 15 por cento, É nesta percentagem que o seu contributo calórico inicial deve ser reduzido para se obter a dieta transitória. Neste caso, 1700 quilocalorias. Esta pessoa deve habituar o seu corpo a essa nova abundância e respeitar patamares de 100 calorias por semana para chegar, progressivamente, às 2000 quilocalorias a que tem direito. Esta redução de 2000 para 1700 quilocalorias não é um meio para continuar a perder peso, mas para evitar recuperá-lo.

Este exemplo é muito teórico, pois não tem em conta o dispêndio físico que acompanhou a dieta e se tornou vital para a pessoa. Para aqueles que fazem exercício, a transição pode ser mais curta. Uma vez abandonado o período transitório e estabilizado o peso, é preciso manter os bons hábitos alimentares e continuar a evitar as gorduras e os açúcares.