O médico

Ao longo deste guia, mencionámos várias vezes o papel do médico. Acreditamos que este profissional é uma ajuda importante para a maioria das pessoas. Excepto, claro, para quem deseja perder apenas dois ou três quilos no verão. Um médico experiente pode evitar-lhe muitas decepções, inúmeras perdas de tempo e apoiá-lo em outros aspectos como:

Despiste e orientação. A partir de um exame completo, o especialista sabe se a obesidade esconde outra doença orgânica e se os efeitos nocivos dessa obesidade – hipertensão, colesterol, gota, diabetes – proíbem ou requerem tratamentos específicos. Descobre também as causas pro fundas e as circunstâncias que provocam ou agravam a obesidade. Com todos estes dados e depois de avaliar o seu comportamento alimentar, o médico consegue propor-lhe uma dieta adaptada às suas necessidades, às suas obrigações (profissionais e sociais) e às suas possibilidades. Só ele consegue avaliar se é conveniente acrescentar ou proibir suplementos alimentares ou medicamentos.

Vigilância e acompanhamento. A visita regular ao médico, todas as semanas ou quinzenalmente, é indispensável para vigiar o estado geral, dar conta de eventuais perturbações e estabelecer as mudanças e os ajustamentos adaptados às circunstâncias.

A autoridade do médico ajuda-o a motivar-se. Também é necessário saber por que razão come demais. A função do clínico não é dizer-lho, mas levá-lo a descobrir. O médico tem de desempenhar, portanto, uma verdadeira tarefa psicológica marcada pela compreensão, mas sem qualquer condescendência. Não interprete mal as perguntas que ele lhe fizer, não se trata de indiscrição grosseira. Para optar pela dieta mais indicada, o médico precisa de algumas informações. Por exemplo:

– as razões que o levam a querer emagrecer;

– as causas da obesidade ou as circunstâncias que a agravaram;

– a sua história clínica, bem como a dos seus familiares;

– o seu estado geral e o seu modo de vida actual;

– os seus hábitos e balanço alimentar.

Pode acontecer que o seu médico habitual não leve a sério o desejo de emagrecer ou que, como clínico geral, tenha pouca experiência em dietas. Nesse caso, peça-lhe que lhe recomende um endócrinologista. Para além dos conselhos, os pacientes obesos esperam do seu médico uma boa dose de interesse e empenho.