Os perigos para a saúde

 

De uma forma geral, a obesidade diminui as defesas do organismo e predispõe para certas doenças.

  • Os obesos precisam de mais energia para respirar devido à quantidade de gordura acumulada no corpo. Por isso, o coração trabalha em excesso e dilata-se. Daí o risco de doenças cardiovasculares, de aumento da tensão arterial e de batimentos irregulares. Nos obesos, o nível de colesterol no sangue também pode aumentar. Arriscam-se, mais do que as outras pessoas, a sofrer de esclerose. Estatisticamente, um quarto das doenças do coração e dos vasos sanguíneos está, directa ou indirecta- -mente, ligado à obesidade.
  • O aumento de peso perturba as articulações, pois estas têm de trabalhar sob uma tensão acrescida. É por isso que os indivíduos obesos estão muito sujeitos a complicações de tipo reumatismal, nomeadamente ao nível das ancas, dos joelhos e dos tornozelos. Como, para além disso, fazem pouco exercício, os problemas de coluna instalam-se facilmente.
  • Nas mulheres, o excesso de gordura parece afectar o equilíbrio hormonal entre o estrogénio e a progesterona e perturbar, assim, o ciclo menstrual. Em última instância, isso pode levar à infertilidade. As obesas sofrem também mais complicações durante a gravidez. Apesar destes riscos, não é aconselhável às grávidas começarem uma dieta por sua própria iniciativa nem auto-medicarem-se para controlar o peso. Por norma, os obstetras vigiam o aumento do peso das gestantes (não deve ultrapassar os dez quilos) e dão os conselhos adequados.
  • De acordo com alguns estudos, a obesidade pode aumentar o risco de cancro da vesícula biliar, da mama, do útero e do colo do útero, no caso das mulheres. Nos homens, pode ter maior influência no cancro do recto e da próstata. Outras investigações revelam que as pessoas obesas são mais vulneráveis à diabetes tipo 2.
  • ‘ A resistência às doenças e ao cansaço é menor, por causa da acumulação de gordura em torno dos órgãos, o que dificulta o seu funcionamento e diminui as defesas. As pessoas corpulentas resistem pior ao choque e, em particular, às intervenções cirúrgicas. Na vida diária, sofrem mais acidentes do que as outras: deslocam-se mais devagar quando é necessário evitar os
    automóveis, o fogo, entre outros. Finalmente, a obesidade é um obstáculo à longevidade, pois a esperança média de vida da pessoa obesa é inferior.Relembramos que, a partir do momento em que o peso recomendável é recuperado, todos estes riscos diminuem.